Infancia y prácticas del cuidado en el campo de la salud mental infanto juvenil (Capsi)

Autores/as

  • Félix Miguel Nascimento Guazina Universidade Franciscana
  • Adolfo Pizzinato Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Kátia Bones Rocha Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

DOI:

https://doi.org/10.21615/cesp.6198

Palabras clave:

Capsi, infancia, salud mental, política de salud mental, atención psicosocial, medicalización

Resumen

En este trabajo se discute como se constituye la noción de infancia en las narrativas de los profesionales de la salud que actúan con niños en los Centros de Atención Psicosocial Infantil y Juvenil (Capsi) y qué discursos sobre la infancia se organizan y extienden a las acciones de cuidado de los niños en los servicios de salud mental. Se trata de una investigación cualitativa exploratoria, basada en entrevistas semiestructuradas, observaciones participantes y diarios de campo, que luego son discutidos mediante un análisis temático. Como resultados de ese proceso, se observa una “romantización” de la infancia que permea la construcción del cuidado en los servicios de salud; la dificultad del equipo para decidir cuál es la demanda de los Capsi y que no se ajusta a la población adscrita frente a la complejidad del impacto social que implica el diagnóstico; y el énfasis en la medicalización en detrimento de la construcción de acciones de carácter psicosocial.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Biografía del autor/a

Félix Miguel Nascimento Guazina , Universidade Franciscana

Doctor en Psicología. Docente Universidade Franciscana (UFN), Brasil.

Adolfo Pizzinato, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doctor en Psicología Básica, evolutiva y de la Educación. Docente Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Brasil.

Kátia Bones Rocha, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Doctora en Educación. Docente Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Brasil.

Referencias bibliográficas

Almeida, R., Lima, R., Crenzel, G., & Abranches, C. (2019). Saúde mental da criança e do adolescente. 2ªed. Barueri: Manole.

Barbosa, R. (2015). Infância, autonomia e pós-estruturalismo. [Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de São Carlos]. https://repositorio.ufscar.br/handle/ufscar/7103?show=full

Bekerman, J. (2011). Não há classificação que não seja arbitrária e conjetural. In O livro negro da psicopatologia contemporânea (pp. 23-27). Via Lettera.

Belotti, M., Maia, C., Avellar, L., & Silva, P. Concepções de profissionais de saúde sobre as atribuições de um centro de atenção psicossocial infantojuvenil. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 34(e34430), 1-9. https://doi.org/10.1590/0102.3772e34430

Beltrame, M., & Boarini, M. (2013). Saúde mental e infância: reflexões sobre a demanda escolar de um Capsi. Psicologia Ciência e Profissão, 33(2), 336-349. https://doi.org/10.1590/S1414-98932013000200007

Borba, L. O., Schwartz, E., & Kantorski, L. P. (2008). A sobrecarga da família que convive com a realidade do transtorno mental. Acta Paulista de Enfermagem, 21(4), 588-594. https://doi.org/10.5935/0103-1104.20140085

Brasil. Ministério da Saúde. (2002). Portaria MS/GM nº 336, de19 de fevereiro de 2002. Brasília, 2002. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2002/prt0336_19_02_2002.html

Brasil. Ministério da Saúde. (2004). Saúde mental no SUS: os centros de atenção psicossocial. Brasília: Ministério da Saúde. http://www.ccs.saude.gov.br/saude_mental/pdf/sm_sus.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. (2005). Caminhos para uma política de saúde mental infanto-juvenil. Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. Ministério da Saúde. (2010). Diretrizes Nacionais para a Atenção Integral de Adolescentes e Jovens na Promoção, Proteção e Recuperação da Saúde. Brasília, https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/diretrizes_nacionais_atencao_saude_adolescentes_jovens_promocao_saude.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. (2011) Portaria MS/GM nº 3.088, de 23 de dezembro de 2011. Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS. Brasília: Ministério da Saúde. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt3088_23_12_2011_rep.html

Brasil. Ministério da Saúde. (2012). Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Dispõe sobre diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0466_12_12_2012.html

Brasil. Ministério da Saúde. (2014). Atenção psicossocial a crianças e adolescentes no SUS : tecendo redes para garantir direito. Ministério da Saúde, Conselho Nacional do Ministério Público. – Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. Ministério da Saúde. (2016). Resolução nº 510, de 07 de abril de 2016. Dispõe das normas aplicáveis a pesquisas em ciências humanas e sociais. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. https://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/22917581

Campos, G. W. S. (2003). Saúde Paidéia. Hucitec.

Cervo, M., & Silva, R. N. (2014). Um olhar sobre a patologização da infância a partir do Capsi. Revista Subjetividades, 14(3), 443-453. https://doi:10.5020/23590777.14.3.442-452

Chaves, F., & Caliman, L. (2017). Entre saúde mental e a escola: a gestão autônoma de medicação. Pólis & Psique, 7(3), 136-160.

Corazza, S. (2000). História da infância sem fim : Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul.

Couto, M. C. V. (2004). Por uma política pública de saúde mental para crianças e adolescentes. In T. Ferreira (Org.), A criança e a saúde mental: enlaces entre a clínica e a política (pp. 61-72). Autêntica.

Couto, M. C. V., Duarte, C. S., & Delgado, P. (2008). A saúde mental infantil na saúde pública brasileira: situação atual e desafios. Revista Brasileira de Psiquiatria, 30(4), 384-389. https://doi.org/10.1590/S1516-44462008000400015

Couto, M.C.V., & Delgado, P. (2015). Crianças e adolescentes na agenda da política da saúde mental brasileira: inclusão tardia, desafios atuais. Psicologia Clínica, 27(1), 17-40. https://doi.org/10.1590/0103-56652015000100002

Diário de Campo. Diário de campo produzido nos itinerários de pesquisa. Porto Alegre: 2018.

Freitas, F., & Amarante, P. (2015). Medicalização em Psiquiatria. Fiocruz.

Gadelha, S. (2010). Governamentalidade neoliberal e instituição de uma infância empreendedora. In W. Kohan (Org.), Devir-criança da Filosofia: infância da educação (pp. 123-138). Autêntica Editora.

Gageiro, A.M., Beltrame, A., Becker, A., Tavares, E., Kessler, H., & Wottrich, L. (2018). A casa dos cata-ventos. In Paulon, S., Oliveira, C., & Fagundes, S. (orgs). 25 anos da lei da reforma psiquiátrica no rio grande do sul. Porto Alegre: Assembleia Legislativa, 310-312.

Guarido, R. (2015). Notas acerca da medicalização. In M. Kamers, R. Mariotto, & R. Voltolini (Orgs.), Por uma (nova) psicopatologia da infância e da adolescência (pp. 303-312). São Paulo: Escuta.

Guazina, F. (2018) Diário de campo produzido nos itinerários de pesquisa. Rio Grande do Sul: Porto Alegre.

Hillesheim, B., & Guareschi, N. M. F. (2007). De que infância fala a psicologia do desenvolvimento? Algumas reflexões. Psicologia e Educação, 25, 75-92.

Izaguirre, G. (2011). Elogio ao DSM-IV. In A. Jerusalinsky, & S. Fendrik (Orgs.). O livro negro da psicopatologia contemporânea (pp. 13-22). São Paulo: Via Lettera.

Jorge, M. S. B., Onocko-Campos, R., Pinto, A. G. A., & Vasconcelos, M. G. F. (2012) Experiências com gestão autônoma da medicação: narrativa de usuários de saúde mental no encontro dos grupos focais em centros de atenção psicossocial. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 22(4), 1543-1561. https://doi.org/10.1590/S0103-73312012000400015

Kamers, M. (2013). A fabricação da loucura na infância: psiquiatrização do discurso e medicalização da criança. Estilos da clínica, 18(1), 153-165. https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v18i1p153-165

Kamers, M. (2015). Psicopatologização dos transtornos de comportamento. In M. Kamers, R. Mariotto, & R. Voltolini (Orgs.), Por uma (nova) psicopatologia da infância e da adolescência (pp. 267-288). São Paulo: Escuta.

Kieling, C., Graeff-Martins, A., Hamoda,H., & Rohde, L. (2014). Child and adolescent mental health. In Patel, V., Minas, H., Cohen, L. & Prince, M. Global mental health: princeples and practice. Oxford: Oxford University Press, 335-353.

Kinoshita, R., Trino, A., Guimarães, C., Castro, C., & Prado, C. (2020). Atenção psicossocial e bem viver: relato de experiência de um projeto terapêutico singular pelas dimensões de felicidade interna bruta. Saúde Debate, (4), nº. especial, 320-332. https://doi.org/10.1590/0103-11042020E326

Lauridsen-Ribeiro, E., & Lykouropoulos, C. B. (2016). O Capsi e o desafio da gestão em rede. São Paulo: Hucitec.

Lauridsen-Ribeiro, E., Arrigoni, R., & Leal, B. (2016). A chegada ao centro de atenção psicossocial infantojuvenil (Capsi). In E. Lauridsen-Ribeiro, & C. B. Lykouropoulos (Orgs.), O Capsi e o desafio da gestão em rede (pp. 69-86). São Paulo: Hucitec.

Luckow. H., & Cordeiro, A. (2017). Concepções de Adolescência e Educação na Atuação de Profissionais do Capsi. Psicologia: Ciência e Profissão, 37(2), 393-403. https://doi.org/10.1590/1982-3703001432016

Maciel, A. P. P., Gondim, A. P. S., Monteiro, M. P., & Meireles, H. A. de S. (2013). Avaliação de uso de psicofármacos em crianças nos serviços de saúde mental em Fortaleza – Ceará. Revista Sociedade Brasileira de Farmácia Hospitalar, 4(4), 18-22.

Mariotto, R. M. (2015). Diagnóstico e tratamento de crianças em tempos de psicomedicalização. In M. Kamers, R. Mariotto, & R. Voltolini (Orgs.), Por uma (nova) psicopatologia da infância e da adolescência (pp. 289-302). São Paulo: Escuta.

Meiners, M., & Bergsten-Mendes, G. (2001). Prescrição de medicamentos para crianças hospitalizadas: como avaliar a qualidade. Revista Associação Médica Brasileira, 47(4), 332-337. https://doi.org/10.1590/S0104-42302001000400036

Nascimento, L.M., Lemos, F.C.S. A pesquisa-intervenção em psicologia: o uso do diário de campo. Barbarói, 57, 239-253. https://doi.org/10.17058/barbaroi.v0i57.14675

Minayo, M. (2010). Técnicas de análise do material qualitativo. In O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde (pp. 303-360). São Paulo: Hucitec.

Oliveira, C. (2018). A desinstitucionalização na infância e adolescência: o Estatuto da Criança e do Adolescente e a Reforma Psiquiátrica (se) movem. In S. Paulon, C. S. Oliveira, S. M. S. Fagundes (Orgs.), 25 anos da lei da Reforma Psiquiátrica no Rio Grande do Sul (pp. 284-309). Porto Alegre: Assembleia Legislativa.

Oliveira, C. B. E. & Marinho-Araújo, C. M. (2010). A relação família-escola:intersecções e desafios. Estudos de Psicologia, 27(1), 99-108. https://doi.org/10.1590/S0103-166X2010000100012

Pezzato, L., L´Abbate, S. (2011). O uso do diário como ferramenta de intervenção. Physis, Revista de saúde coletiva, 21(4), Rio de Janeiro, 1297-1314.

Redin, M., & Redin, E. (2008). Porque é de infância [...] que o mundo tem precisão. Ciências e Letras, 43, 11-23.

Rodrigues, R., Couto, M.C.V., Faria, D.L.S., & Modena, C. (2019). O atendimento à crise e urgência no Centro de Atenção Psicossocial para crianças e adolescentes de Betim. Pesquisas e práticas psicossociais, 14(1), 1-15.

Romagnoli, R. (2015). Problematizando as noções de vulnerabilidade e risco social no cotidiano do SUS. Psicologia em Estudo, 20(3), Maringá, 449-459. https://doi.org/10.4025/psicolestud.v20i3.28707

Schérer, R. (2009). Infantis: Charles Fourier e a infância para além das crianças. Belo Horizonte: Autêntica.

Silva, R. N., Pires, M. L., Scisleski, A. C. C., & Hartmann, S. (2010). “Anormais escolares”: a psiquiatria para além dos hospitais psiquiátricos. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, 14(33), 401-410. https://doi.org/10.1590/S1414-32832010000200013

Whitaker, R. (2016). Transformando crianças em pacientes psiquiátricos: fazendo mais mal do que bem. In S. Caponi, M. F. Vásques-Valencia, & M. Verdi, M. (Orgs.), Vigiar e medicar: estratégias de medicalização da infância (pp. 13-29). São Paulo: Liberts.

Publicado

2022-09-16

Cómo citar

Nascimento Guazina , F. M., Pizzinato, A. ., & Bones Rocha, K. (2022). Infancia y prácticas del cuidado en el campo de la salud mental infanto juvenil (Capsi). CES Psicología, 15(3), 180–201. https://doi.org/10.21615/cesp.6198

Número

Sección

Artículos Originales