Derechos humanos: concepciones de estudiantes de psicología de una universidad pública brasileña

Autores/as

DOI:

https://doi.org/10.21615/cesp.6194

Palabras clave:

derechos humanos, formación en psicología, enseñanza, psicología

Resumen

El presente artículo aborda las concepciones que los estudiantes de psicología producen sobre la relación de esta ciencia y profesión con los Derechos Humanos. Para ello, traza un panorama general sobre la historia de los Derechos Humanos, dando centralidad a la posibilidad de diferentes concepciones de estos derechos, desde una visión hegemónica hasta una perspectiva de los mismos como resultado de procesos históricos, sociales y culturales. Para lograr el objetivo, se aplicó un cuestionario con preguntas abiertas a estudiantes de psicología. La información construida se analizó mediante el Análisis de Contenido Temático, con el fin de revelar dos categorías (núcleos de significado): Concepciones sobre derechos humanos y Psicología y derechos humanos: ¿una relación necesaria? Concluimos que las concepciones de los Derechos Humanos de los estudiantes de psicologia participantes son en su mayoría liberales y naturalistas, y tienen la percepción de que la capacitación proporciona pocos elementos teóricos y prácticos para que el psicólogo actúe de acuerdo con los ideales de los Derechos Humanos.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Biografía del autor/a

Leonardo Cavalcante de Araújo Mello, Universidade de Brasília

Aluno de doutorado em processos de desenvolvimento humano e saúde. Universidade de Brasília, Brasil. 

Regina Lucia Sucupria Pedroza, Universidade de Brasília

Profesor del Instituto de Psicología de la Universidad de Brasilia

Referencias bibliográficas

Assembleia Geral da ONU. (1948). Declaração Universal dos Direitos Humanos. Paris. http://www.un.org/en/universal-declaration-human-rights/

Baptista, L. A. S., & Ribeiro, E. S. (2016). Ruídos e Silêncios de um Corpo na Cidade: paradoxos da produção da diferença no contemporâneo. Psicologia em revista, 22, 372-389. http://dx.doi.org/DOI-10.5752/P.1678-9523.2016V22N2P374

Benevides, M. V. (2007). Direitos humanos: desafios para o século XXI. In: R. M. G. Silveira et al (Orgs.). Educação em direitos humanos: fundamentos teórico-metodológicos (pp. 335-350). João Pessoa: Editora Universitária da UFPB.

Bicalho, P. P. G. (2005). Subjetividade e abordagem policial: por uma concepção de direitos humanos onde caibam mais humanos. Tese de doutorado. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. https://www.patriciamagno.com.br/wp-content/uploads/2018/03/Tese-Pedro-Paulo-Bicalho.pdf

Bobbio, N. (1992/2004). A era dos direitos. Rio de Janeiro: Elsevier. https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/4565237/mod_resource/content/1/2.%20BOBBIO%2C%20Noberto.%20A%20Era%20dos%20Direitos.%20p.%2012-39%3B%20p.%2092-97.pdf

Bock, A. M. B., & Gianfaldoni, M. H. T. A. (2010). Direitos humanos no ensino de Psicologia. Psicologia: ensino e formação, 1(2), 49-67. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2177-20612010000200009&lng=pt&tlng=pt.

Carbonari, P. C. (2007). Sujeito de direitos humanos: questões abertas e em construção. In: R. M. G. Silveira et al (Orgs.). Educação em direitos humanos: fundamentos teórico-metodológicos (pp. 169-186). João Pessoa: Editora Universitária da UFPB. http://www.cchla.ufpb.br/ncdh/wp-content/uploads/2014/07/merged.compressed.pdf

Coimbra, C. M. B. (2011). Ética, direitos humanos e biopoder. Verve, 20, 85-100. https://revistas.pucsp.br/index.php/verve/article/view/14545/10575

Coimbra, C. M. B., Lobo, L. F., & Nascimento, M. L. (2008). Por uma invenção ética dos direitos humanos. Psicologia clínica, 20 (2), 89-102. https://doi.org/10.1590/S0103-56652008000200007

Conselho Federal de Psicologia & Associação Brasileira de Ensino de Psicologia (2009). Direitos Humanos no ensino da psicologia. Brasília: Conselho Federal de Psicologia/Associação Brasileira de Ensino da Psicologia.

Chaui, M. & Santos, B. de S. (2013). Direitos Humanos, democracia e desenvolvimento. São Paulo: Cortez. https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/4604349/mod_resource/content/1/Direitos_Humanos_Democracia_e_Desenvolvi-1.pdf

Cunha, A. G. (2010). Dicionário etimológico Nova Fronteira da língua portuguesa. Rio de Janeiro, Lexikon.

Deleuze, G. (1992). Conversações. Rio de Janeiro: Editora 34.

Fernandes, I. F., & Yamamoto, O. H. (2014). Psychology and social policies: A historical overview of psychological practice in Brazilian Public Health. Universitas Psychologica, 13(5), 1777-1785. http://dx.doi.org/10.11144/Javeriana.upsy13-5.psph

Flores, J. H. (2009). A (re) invenção dos direitos humanos. Florianópolis: Fundação Boiteux.

Foucault, M. (1985). Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal.

Foucault, M. (2006). O que é um autor? In: Ditos e escritos III - Estética: Literatura e Pintura, Música e Cinema. Rio de Janeiro: Forense Universitária

Foucault, M. (2008). Vigiar e punir: história das violências nas prisões. Petrópolis: Vozes.

Foucault, M. (2008b). Nascimento da biopolítica – curso dado no Collège de France (1978-1979). São Paulo: Martins Fontes.

Foucault, M. (2010). História da sexualidade I: a vontade de saber. São Paulo: Graal.

Foucault, M. (2012). Ditos e escritos I – Problematização do sujeito: psicologia, psiquiatria e psicanálise. Rio de Janeiro: Forense Universitária

Furlan, V. (2017). Psicologia e a política de direitos: percursos de uma relação. Psicologia: Ciência e Profissão, 37(n. spe), 91-102. https://doi.org/10.1590/1982-3703070002017

Geisler, A. R., & Coimbra, C. M. B. (2008). Direitos humanos: afirmando vidas. In: A. R. Geisler, A. L. Abrahão & C. M. B. Coimbra (Orgs.). Subjetividade, violência e direitos humanos: produzindo novos dispositivos de saúde. Nitéroi: Eduff.

Gomes, R. (2007). A análise de dados em pesquisa qualitativa. In M. C. S. Minayo (Org.), Pesquisa Social: teoria, método e criatividade (pp. 67-80). São Paulo: Editora Vozes.

Hollanda, C. B. (2017). Direitos Humanos e democracia. A experiência das comissões da verdade no Brasil. Revista brasileira de ciência sociais, 33(96), 01-18. https://doi.org/10.17666/339610/2018

Leite, J. F., & Dimenstein, M. (2002). Mal-estar na Psicologia: a insurreição da subjetividade. Revista Mal-estar e Subjetividade, 2(2), 09-26. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1518-61482002000200002&lng=pt&tlng=pt.

Mascaro, A. L. (2017). Direitos Humanos: uma crítica marxista. Lua Nova, 101, 109-137. https://doi.org/10.1590/0102-109137/101

Méndez, E. G. (2004). Origem, sentido e futuro dos direitos humanos: reflexões para uma nova agenda. Sur – revista internacional de direitos humanos, 1(1), 06-19. https://doi.org/10.1590/S1806-64452004000100002

Nórte, C. E., Macieira, R. M., & Rodrigues, H. B. C. (2010). Da docilização à estética da existência: direitos humanos na formação em Psicologia. In: C. E. Nórte et al (Orgs.). Formação: ética, política e subjetividades na Psicologia (pp. 58-67). Rio de Janeiro: Conselho Regional de Psicologia.

Pedroza, R. L. S., & Chagas, J. C. (2016). Direitos humanos e projeto político pedagógico. In: L. H. C. Pulino, et al (Orgs.). Educação, direitos humanos e organização do trabalho pedagógico (pp. 81-115). Brasília: Paralelo 15.

Prado Filho, K. (2005). Para uma arqueologia da Psicologia (ou: para pensar uma Psicologia em outras bases). In: N. M. E. Guareschi, S. M Hüning & H. B. C. Rodrigues (Orgs.). Foucault e a Psicologia (pp. 73-92). Porto Alegre: Abrapso Sul.

Pulino, L. H. C. (2016). Diversidade cultural e ambiente escolar. In: L. H. C. Pulino et al (Orgs.). Educação e diversidade cultural (pp. 29-78). Brasília: Paralelo 15.

Rifiotis, T. (2007). Direitos humanos: sujeito de direitos e direitos do sujeito. In: R. M. G. Silveira et al (Orgs.). Educação em direitos humanos: fundamentos teórico-metodológicos (pp. 231-244). João Pessoa: Editora Universitária da UFPB.

Reis, C. (2012). (FalênciaFamiliar) + (UsodeDrogas) = Risco e Periculosidade – a naturalização jurídica e psicológica de jovens com medida de internação compulsória. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social e Institucional. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre.

Reis, C. (2017). Cidade e Diretos Humanos: o comum como exercício ético da vida urbana. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social e Institucional. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre. http://hdl.handle.net/10183/156748

Revel, J. (2009). Michel Foucault: conceitos essenciais. São Carlos: Claraluz.

Rubio, D. S. (2014). Encantos e desencantos dos direitos humanos – de emancipações, libertações e dominações. Porto Alegra: Livraria do advogado.

Sader, E. (2007). Contexto histórico e educação em direitos humanos no Brasil: da ditadura à atualidade. In: R. M. G. Silveira et al (Orgs.). Educação em direitos humanos: fundamentos teórico-metodológicos (pp. 75-84). João Pessoa: Editora Universitária da UFPB.

Santos, B. de S. (2013). Se Deus fosse um ativista dos direitos humanos. São Paulo: Cortez, 2013.

Silva, F. F. (2017). Psicologia no contexto da ditadura civil-militar e ressonâncias na contemporaneidade. Psicologia: Ciência e Profissão, 37(n. spe), 82-90. https://doi.org/10.1590/1982-3703060002017

Sousa Júnior, J. G. (2016). Algumas questões relevantes para a compreensão dos direitos humanos: problemas históricos, conceituais e de aplicação. In: L. H. C. Pulino et al (Orgs.). Educação em e para os direitos humanos (pp. 31-71). Brasília: Paralelo 15.

Sousa Júnior, J. G., & Fonseca, L. G. D. (2017). O Constitucionalismo achado na rua – uma proposta de decolonização do Direito. Direito e Práxis, 8 (4), 2882-2902. https://doi.org/10.1590/2179-8966/2017/31218

Trindade, J. D. L (2011). História social dos direitos humanos. São Paulo: Fundação Peirópolis.

Viola, S. E. A., & Zenaide, M. N. T. (2010). A produção histórica dos direitos humanos. In: L. F. G. Ferreira & M. N. T Zenaide (Orgs.). Direitos humanos na educação superior. Subsídios para a educação em direitos humanos na pedagogia (pp. 141-170). João Pessoa: Editora Universitária da UFPB.

Yamamoto, O. H. (2012). 50 anos de profissão: responsabilidade social ou projeto ético político? Psicologia: ciência e profissão, 12, 06-17. https://doi.org/10.1590/S1414-98932012000500002

Yamamoto, O. H., & Oliveira, I. F. (2010). Política Social e Psicologia: uma trajetória de 25 anos. Psicologia: Teoria e Pesquisa (UnB. Impresso), 26, 09-24.

Publicado

2022-05-20

Cómo citar

Mello, L. C. de A., & Pedroza, R. L. S. (2022). Derechos humanos: concepciones de estudiantes de psicología de una universidad pública brasileña. CES Psicología, 15(2), 80–96. https://doi.org/10.21615/cesp.6194

Número

Sección

Artículos Originales