Inactivación del cromosoma X en el desarrollo embrionario mamífero

Autores/as

  • Mariano Eliécer Acosta Lobo Fundación Universitaria Autónoma de las Américas
  • Neil Aldrin Vásquez Araque Universidad Nacional de Colombia
  • Luis Fernando Londoño Franco Politécnico Colombiano Jaime Isaza Cadavid

Resumen

Resumen

La regulación de la expresión génica durante el desarrollo embrionario temprano requiere de múltiples y ordenados procesos epigenéticos que garanticen una correcta diferenciación y proliferación celular. La inactivación del cromosoma X es un proceso multiepigenético estrechamente ligado al desarrollo embrionario, que involucra el silenciamiento transcripcional de uno de los dos cromosomas X en las células de hembras mamíferas. El modelo embrionario mejor estudiado es el de ratón, donde se observan ciclos de inactivación y reactivación durante la formación del trofoectodermo y el epiblasto. En el trofoectodermo y el endodermo primitivo se observa una inactivación preferencial por el X paterno, mientras en la masa celular interna se observa una inactivación aleatoria, pudiendo inactivarse tanto el cromosoma X materno como el paterno. La inactivación del cromosoma X se observa también en la meiosis masculina, donde se observa un silenciamiento del cromosoma X, que perdura hasta la fertilización. En este artículo revisamos los eventos moleculares en la progresión de la inactivación, desde la gametogénesis hasta el blastocisto, y las características que regulan los procesos de inactivación y reactivación del cromosoma X en embriones de hembras mamíferas.A regulação da expressão génica durante o desenvolvimento embrionário nos primeiros estádios requer de muitos e organizados processos epigenéticos que garantissem uma correta diferenciação e proliferação celular. A inativação do cromossomo X é um processo complexo que esta fortemente ligado ao desenvolvimento embrionário, este processo involucra o silenciamento transcripcional de um dos cromossomos X nas células das fêmeas mamíferas. O modelo embrionário do rato é o melhor estudado, onde se observam ciclos de inativação e reativação durante a formação do trofoectodermo e o epiblasto. No trofoectodermo e o endodermo primitivo se observa uma inativação preferencial pelo X paterno, enquanto na massa celular interna se observa uma inativação aleatória, conseguindo inativar-se tanto no cromossomo X materno quanto no paterno. A inativação do cromossomo X se observa também na meiose masculina onde se observa um silenciamento do cromossomo X, que permanece até a fertilização. Neste artigo revisamos os eventos moleculares na progressão da inativação, desde a gametogênese até o blastocisto, e as características que regulam os processos de inativação e reativação do cromossomo X em embriões de fêmeas mamíferas.

X chromosome inactivation in mammalian embryonic development

Abstract

The gene expression regulation during embryonic development early requires multiple and ordered epigenetic processes that ensure a correct differentiation and cellular proliferation. The inactivation of the X chromosome is a multiepigenetic process closely linked to embryonic development, involving the transcriptional silencing of one of the two X chromosomes in mammalian females cells. The best studied embryonic model is the mouse, where inactivation and reactivation cycles are observed during the formation of the trophoectoderm and the epiblast. The trophoectoderm and primitive endoderm shows a preferential inactivation by the paternal X, while the mass cell internal observed one random inactivation, and can inactivate both the paternal and the maternal X chromosome. X chromosome inactivation is also observed in male meiosis, showing silencing of the X chromosome, which lasts until fertilization. Here we review the molecular events in the progression of inactivation, from gametogenesis to the blastocyst, and the characteristics that regulate the processes of inactivation and reactivation of the X chromosome in female mammalian embryos.

Inativação do cromossomo X no desenvolvimento embrionário dos mamíferos

Resumo

A regulação da expressão génica durante o desenvolvimento embrionário nos primeiros estádios requer de muitos e organizados processos epigenéticos que garantissem uma correta diferenciação e proliferação celular. A inativação do cromossomo X é um processo complexo que esta fortemente ligado ao desenvolvimento embrionário, este processo involucra o silenciamento transcripcional de um dos cromossomos X nas células das fêmeas mamíferas. O modelo embrionário do rato é o melhor estudado, onde se observam ciclos de inativação e reativação durante a formação do trofoectodermo e o epiblasto. No trofoectodermo e o endodermo primitivo se observa uma inativação preferencial pelo X paterno, enquanto na massa celular interna se observa uma inativação aleatória, conseguindo inativar-se tanto no cromossomo X materno quanto no paterno. A inativação do cromossomo X se observa também na meiose masculina onde se observa um silenciamento do cromossomo X, que permanece até a fertilização. Neste artigo revisamos os eventos moleculares na progressão da inativação, desde a gametogênese até o blastocisto, e as características que regulam os processos de inativação e reativação do cromossomo X em embriões de fêmeas mamíferas.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Biografía del autor/a

Mariano Eliécer Acosta Lobo, Fundación Universitaria Autónoma de las Américas

Facultad de Medicina Veterinaria y Zootecnia. Fundación Universitaria Autónoma de las Américas. Medellín-Colombia.

Neil Aldrin Vásquez Araque, Universidad Nacional de Colombia

Facultad de Ciencias. Escuela de Biociencias. Universidad Nacional de Colombia sede Medellín. Medellín- Colombia.

Luis Fernando Londoño Franco, Politécnico Colombiano Jaime Isaza Cadavid

Facultad de Ciencias Agropecuarias. Politécnico Colombiano Jaime Isaza Cadavid. Medellín Colombia

Descargas

Publicado

2014-02-10

Cómo citar

Acosta Lobo, M. E., Vásquez Araque, N. A., & Londoño Franco, L. F. (2014). Inactivación del cromosoma X en el desarrollo embrionario mamífero. CES Medicina Veterinaria Y Zootecnia, 8(2), 108–119. Recuperado a partir de https://revistas.ces.edu.co/index.php/mvz/article/view/2852