Estresse e correlatos com características de saúde e sociodemográficas de estudantes de medicina

Yoshyara da Costa Anacleto-Estrela, Ariany Cibelle Costa Rezende, Anderson Ferreira-Guedes, Charlene De Oliveira Pereira, Milena Nunes Alves de-Sousa

Resumen


Introdução: O estresse é uma resposta inespecífica do organismo mediante uma pressão exercida sobre ele, suas reações fisiológicas são chamadas de “síndrome de adaptação geral”, dividida em três fases: alerta, resistência e exaustão. Objetivo: Analisar as fases do estresse e seus correlatos com características de saúde e demográficas de estudantes de medicina de uma faculdade do interior da Paraíba.

Método: Pesquisa de caráter descritivo, transversal, com abordagem quantitativa, teve como cenário de estudo uma Instituição de Ensino Superior (IES) localizada no sertão paraibano. A amostra foi composta por 138 alunos do curso de Medicina da IES.

Resultados: 21,02% dos acadêmicos não apresentam estresse e 78,98% apresentam: 0,72% encontram-se na fase de alerta; 61,59% na de resistência; 16,67% na de exaustão. Correlacionando os fatores de saúde e sociodemográficos, constatou-se que os alunos do sexo feminino, sem bolsa de estudo, que pensam em desistir do curso, tomam medicamento e que não procuram tratamento psicológico possuem maiores pontuações de estresse nas fases de resistência e exaustão.

Conclusão: É necessário incorporar estratégias, como serviços de apoio psicológico, que possibilitem aos acadêmicos a lidar com essa realidade de forma adaptativa, valorizando e reconhecendo seus limites.


Palabras clave


Estresse; Estudantes de Medicina; Saúde.

Citas


Del Prato D, Bankert E, Grust P, Joseph J. Transforming nursing education: a review os stressors and estrategies that support students’ professional socialization. Adv Med Educ Pract. 2011; 2(1):109-16.

Chipas A, Cordrey D, Floyd D, Grubbs L, Miller S, Tyre B. Stress: Perceptions, manifestations, and Coping Mechanisms of Student Registered Nurse Anesthetists. AANA J. 2012; 80(4 Suppl):S49-55.

Lipp MEN. Inventário de Sintomas de stress para adultos de Lipp (ISSL). São Paulo: Casa do Psicólogo; 2000.

Mende SS, Ferreira LRC, De Martino MMF. Identificação dos níveis de stress em equipe de atendimento pré-hospitalar móvel. Estud Psicol. 2011; 28(2):199-208.

Telles-Correia D, Barbosa A. Anxiety and depression in medicine: models and measurement. Acta Med Port. 2009; 22:89-98.

Pereira GA, Capanema HXM, Silva MMQ, Garcia IL, Petroianu A. Prevalência de síndromes funcionais em estudantes residentes de Medicina. Revista Brasileira de Educação Médica. 2015; 39(3):395-400.

Guimarães KBS. Estresse e o estudante de medicina. In: Guimarães KBS. Saúde mental do médico e do estudante de medicina. São Paulo: casa do psicólogo; 2007.

Moreira SNT, Vasconcellos RLSS, Heath N. Estresse na formação médica: como lidar com essa realidade? Revista Brasileira de Educação Médica. 2015; 39(4):558-564.

Field A. Descobrindo a estatística usando o SPSS. Artmed. Porto Alegre: Artmed; 2009.

Dancey CP, Reidy J. Estatística sem matemática para psicologia usando SPSS para Windows. Artes med. Porto Alegre; 2006. 350 p.

Aguiar SM, Vieira APGF, Vieira KMF, Aguiar SM, Nóbrega JO. Prevalência de sintomas de estresse nos estudantes de medicina. J Bras Psiquiatr. 2009; 58(1):34-38.

Zonta R, Robles ACC, Grosseman S. Estratégias de enfrentamento do estresse desenvolvidas por estudantes de medicina da Universidade Federal de Santa Catarina. Rev Bras Educ Méd. 2006;30(3).

Ramos-Cerqueira AT, Lima MC. A formação da identidade do médico: implicações para o ensino de graduação em Medicina. Interface – Comunic, Saúde, Educ. 2002;6(11):107-16.

Camargo VCV, Calais SL, Sartori MMP. Estresse, depressão e percepção de suporte familiar em estudantes de educação profissionalizante. Estudos de Psicologia. 2015;32(4):595-604.

Pereira FJR, Santos SR, Silva CC. Caracterização de professores e estudantes de enfermagem de João Pessoa – Paraíba. Cogitare Enferm. 2010;15(3):486-491.

Zinn-Souza LC, Nagai R, Teixeira LR, Latorre MRDO, Robert R, Cooper SP, et al. Factors associated with depression symptoms in high school students in São Paulo, Brazil. Revista Saúde Pública. 2008;42(1), 34-40.

Moro A, Valle JB, Lima LP. Sintomas depressivos nos estudantes de medicina da universidade da região de Joinville (SC). Rev Bras Educ Méd. 2005;29(2):97-102.

Pereira AMTB, Gonçalves MB. Transtornos emocionais e a formação em Medicina: Um estudo longitudinal. Rev Bras Educ Med. 2009;33(1):10–23.

Saupe R, Nietche EA, Cestari ME, Giorgi MDM, Krahl M. Qualidade de vida dos acadêmicos de enfermagem. Rev Latino-am Enfermagem. 2004; 12(4):636-642.

Santos CJ. Prevalência de estresse em docentes do curso de fisioterapia da Pontifícia Universidade Católica de Goiás. Rev. Digital. 2010; (146):1.

Bassols MAS, Carneiro BB, Guimarães GC, Okabayashi LMS, Carvalho FG, Silva AB, et al. Stress and coping in a sample of medical students in Brazil. Arch Clin Psychiatry. 2015;42(1):1-5.

Lipp MEN, Malagris LEN, Novais LE. Stress ao longo da vida. São Paulo: Ícone; 2007.

Souza IMDM, Paro HBM, Morales RR, Pinto RMC, Silva CHM. Health-related quality of life and depressive symptoms in undergraduate nursing students. Rev Latino-am Enferm. 2012;20(4):736-743.

Assis CL, Silva APF, Lopes MS, Silva PDCB, Santini TO. Sintomas de estresse em concluintes do curso de psicologia de uma faculdade privada do norte do País. Mudanças – Psicologia da Saúde. 2013;21(1):23-28.

Maia DAC, Maciel RHMO, Vasconcelos JA, Filho JOV. Acadêmicos de Medicina: Sua relação com o ócio e a prática de atividade física como combate à ansiedade e ao estresse. Cadernos ESP. 2011;5(1): 62-73.

Fiedler PT. Avaliação da qualidade de vida do estudante de medicina e da influência exercida pela formação acadêmica. Tese (doutorado) – Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. São Paulo, 2008.

Vasconcelos TC, Dias BRT, Andrade LR, Melo GF, Barbosa L, Souza E. Prevalência de sintomas de ansiedade e depressão em estudantes de medicina. Revista Brasileira de Educação Médica. 2015;39(1):135-142.

Padovani RC, Neufeld CB, Maltoni J, Barbosa LNF, Souza WF, Cavalcanti HAF, et al. Vulnerabilidade e bem-estar psicológicos do estudante universitário. Revista Brasileira de Terapias Cognitivas. 2014; 10(1):2-10.

Schneider ACN, Ramires, VRR. Vínculo parental e rede de apoio social: relação com a sintomatologia depressiva na adolescência. Aletheia. 2007;26(1):95-108.

Alves Júnior AA, Santos AF. Estresse e estratégias de enfrentamento em mestrandos de ciências da saúde. Psicologia: Reflexão e Crítica. 2007;20(1):104-113.


Texto completo: PDF

Refbacks

  • No hay Refbacks actualmente.




Licencia de Creative Commons
Esta obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-SinObraDerivada 4.0 Internacional.

 

Revista CES Medicina/ ISSN Impreso:0120-8705; Electrónico:2215-9177

Facultad de Medicina, Universidad CES.

 

Publicada desde 1987.

 

Universidad CES - Facultad de Medicina
Calle 10A No. 22 - 04 Tel: 444 05 55 Fax: 268 28 76 Correo electrónico: revistamedica@ces.edu.co Medellín – Colombia

 

http://www.ces.edu.co/